Páginas

Mostrando postagens com marcador casal franca. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador casal franca. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Exibicionismo, tesão em mostrar e ser visto ....




O exibicionismo é uma parafilia (ou seja, um tipo de fetiche) caracterizado pela "necessidade" de mostrar-se, sexualmente falando, em locais públicos ou a outras pessoas com as quais não se tenha relações sexuais.

Quem já não ouviu por aí falarem de alguém que havia feito sexo dentro de um carro em local público, mesmo que tarde da noite. Ou de alguém que gostava de insinuar-se, nu ou semi-nu, para outras pessoas. Não é mesmo?

A questão é que o exibicionismo está muito presente nas vidas de muitas pessoas mundo afora. E essa prática desenvolve-se de muitas formas, da simples exibição do corpo nu, ao sexo ao ar livre, ou mesmo o sexo em lugares públicos, seja apenas pela sensação do risco de ser pego, seja pelo desejo de ser visto no ato sexual por outras pessoas que não estejam diretamente envolvidas nesse ato!


De acordo com a Wikipedia, a descrição de "exibicionismo" é a seguinte:


Exibicionismo é um desvio sexual manifestado pelo desejo incontrolável de obter satisfação sexual no fato puro e simples de exibir os órgãos genitais a outros.
Vulgarmente, por exibicionismo tem-se toda conduta que consiste em o indivíduo buscar fazer-se notar pelos demais. Neste sentido a palavra ganha diversos sinônimos e muitas vezes confunde-se com práticas comuns, muitas vezes alimentadas por regras de grupo (como ocorreria, por exemplo, em "bailes funks", concursos de "camiseta molhada", etc.) onde a conduta exibicionista e despudorada é não só incentivada, como valorizada.
Na gíria (Brasil), existem diversas expressões que definem pessoas de conduta exibicionista, como "perua" para mulheres que gostam de aparecer no vestuário, ou o jogador "mascarado", no esporte.
O exibicionismo eventual, decorrente de alteração momentânea dos freios psicológicos pela ingestão de substâncias desinibidoras (como, v.g., o álcool, certas drogas como o LSD, e outras), não pode se caracterizar como a típica parafilia do exibicionismo. Também aAgorafilia não se constitui exibicionismo, pois esta consiste na prática sexual em local aberto, independente da existência de pessoas observando.

Ou seja, o exibicionista tem a necessidade de mostrar-se, seja sexualmente, seja de outras formas em algum contexto social. No contexto sexual, a vontade intensa de mostrar-se nu, ou de realizar sexo em locais públicos ou frente a outras pessoas (ágorafilia) caracteriza-se como um tipo de exibicionismo, algo que dá prazer sexual aos seus praticantes.


O exibicionismo sexual em locais públicos é considerado crime, caracterizando-se como importunação ofensiva ao pudor, uma contravenção penal.

Assim, para sanar tal desejo sexual, muitas pessoas e casais optam por formas mais reservadas de prática desse fetiche. Alguns encontram casais e/ou pessoas que tenham o fetiche do voyeurismo, para assistir-lhes realizando o ato sexual, ou mesmo ficando nus em frente a amigos, às vezes eventuais desconhecidos, em suas casas ou ambientes conhecidos e reservados.

Outras pessoas, com as facilidades da vida moderna, já encontram uma opção mais própria para a realização do desejo exibicionista. Não sendo exatamente o propósito principal desse tipo de ambiente, as "casas de swing", ou seja, locais com o objetivo de reunir os praticantes do swing (breve, post sobre o assunto), servem de local ideal para as pessoas que querem realizar seu desejo exibicionista, mesmo não sendo praticantes do swing.

Enfim, o voyeurismo e o exibicionismo estão presentes na humanidade desde o início dos tempos também. Mesmo nos arquivos históricos de períodos como a Roma antiga, por exemplo, tem-se notícias de grandes festas exibicionistas, em geral os famosos "bacanais", onde as pessoas obtinham prazer de formas diversas, em geral em grupo, e o exibicionismo e o voyeurismo (que quase sempre andam juntos) encontravam o local ideal para sua expressão mais pura e livre.

Mas, e você? O que acha do assunto? Será que existe um pouco de voyeur e exibicionista dentro de cada um de nós? Deixe seu comentário!